7 de junio de 2011

Νύξ

 William-Adolphe Bouguereau (1825-1905) - La Nuit (1883).

Νύξ, deusa enlutada e sensual escondendo suas curvas delicadas e assaz tentadoras.  
Νύξ, a quem tememos e depositamos nossos desejos mais indecúbitos.  
Νύξ, uma rainha, uma fera, um fantasma a penetrar nossas carnes e cernes.  
Νύξ, pétalo de palabras escorrendo pelos lábios desatentos do ébrio sentidor de palavras.

 Autor: Angelo Riccell Piovischini

2 comentarios:

  1. Uau...! Tela enversada; poema pintado...
    Gostei do "Ébrio sentidor de palavras".
    Parabéns, Ivana!

    ResponderEliminar
  2. Não é meu não, Weslley. Esse poema é de Riccell, um amigo meu. Tem o nome dele no fim do poema. Ele viu o poema para Nix e escreveu esse que foi enviado junto aos comentários. Decidi publicá-lo.
    Concordo com você, é um belo poema! A figura do "Ébrio sentidor de palavra" fechou o poema com chave de ouro. E fiquei feliz ao notar a homenagem ao nome do meu blog no trecho: "Νύξ, pétalo de palabras escorrendo pelos lábios..."
    Parabéns para Riccell, esse "sentidor de palavras" que as sabe expressar tão bem.

    ResponderEliminar