12 de enero de 2013

Sina poética

Sabotar a gramática,

violar o verbo.
Nos canteiros de Cecília,
Viver e entender
a sua tristeza.
Enfrentando a lucidez perigosa
que disse Clarice,
na clareza d’alma.
Uma mulher, uma amante, uma diva,
um divã constante.


Ivana Oliveira, 12/01/2013.

1 comentario:

  1. Parabéns pelo poema.Você sabe "profanar" a gramática. Sacrilizar as conotações "dicionarísticas". Não é à toa que é poetiza.

    ResponderEliminar